suicídio

Fatores de risco e sinais de alerta para suicídio

Todos os anos cerca de 11 mil pessoas se matam no Brasil. E não para por aí! Pesquisas apontam que ocorre 1 morte por suicídio a cada 46 minutos. Essa triste realidade está em toda parte. De acordo com dados da Organização Mundial de Saúde, são mais de 800 mil casos anuais de suicídio ao redor do mundo.

Vale destacar que esses números assustadores não param de aumentar, inclusive dentre os mais jovens. Prova disso é que, na última década, a taxa de autoextermínio entre adolescentes aumentou aproximadamente 40%.

Quer conhecer quais são os principais fatores de risco e sinais de alerta para episódios desse tipo? Leia o texto e saiba mais sobre esse assunto que merece toda nossa atenção.

Fatores de risco para o suicídio

Quando se trata de saúde física e mental, um fator de risco corresponde a qualquer situação ou condição que eleve as chances de ocasionar uma doença ou agravar um estado. No caso do autoextermínio, os fatores de risco são aqueles aspectos que podem aumentar a probabilidade de alguém tirar a própria vida. A seguir, conheça os principais.

Depressão

Pessoas depressivas apresentam, sim, maiores chances de se matar, embora nem todos os indivíduos com depressão pensem em se matar ou cheguem a esse desfecho trágico. De acordo com pesquisas recentes, aproximadamente 15% dos indivíduos depressivos em estado grave chegam a praticar tal ato.

Transtorno bipolar

Você sabia que o transtorno bipolar é o distúrbio psíquico que mais leva pessoas ao suicídio? Isso mesmo! Entre 30% a 50% dos brasileiros com esse transtorno tentam se matar pelo menos 1 vez na vida. Os dados são da Associação Brasileira de Transtorno Bipolar (ABTB). O risco é ainda mais elevado nos estados mistos, quando a pessoa mescla os sintomas de depressão com a exaltação do humor.

Dependência química

A dependência química é um incontestável fator de risco para o autoextermínio. O consumo abusivo de cigarro, álcool e outras drogas está intimamente relacionado com o comportamento suicida. Estudos revelam que os dependentes químicos possuem maiores chances de se matar, principalmente se a condição estiver associada a algum transtorno de humor.

Só para se ter ideia, o risco de cometer autoextermínio é 50% maior dentre dependentes químicos, isso porque a ingestão de drogas gera efeitos como aumento da impulsividade, descontrole emocional, agravamento de sintomas depressivos, piora a adesão a eventuais tratamentos psiquiátricos, bem como compromete a resposta terapêutica aos medicamentos.

Sinais de alerta mais comuns do suicídio

O comportamento suicida não é assintomático. Ele dá sinais e, em muitos casos, se os sintomas forem percebidos a tempo por quem convive com a pessoa, é possível impedir — ou pelo menos tentar impedir — que ela acabe com a própria vida.

Dificilmente o ato suicida acontece de uma hora para outra, sem dar pistas. Confira os indícios mais comuns de que alguém está pensando em se matar.

Mudanças comportamentais

As transformações são naturais ao longo da vida. Não é à toa que as pessoas mudam opiniões, hábitos e preferências à medida que amadurecem.

Circunstâncias como a mudança de cidade ou emprego, o término de um relacionamento ou um novo desafio podem fazer com que as pessoas adotem nova postura. Entretanto, mudanças bruscas, repentinas e sem justificativa aparente podem sinalizar que algo estava errado.

Desconfie se alguém extrovertido ficar retraído da noite para o dia ou se alguém vaidoso, de repente, deixar de se cuidar e passar a ter uma aparência desleixada.

Isolamento social

Ainda no âmbito das mudanças comportamentais, preste atenção se a pessoa que vivia cercada de amigos agora prefere se isolar. Ligue o sinal de alerta caso ela deixe de frequentar as atividades sociais, escola, trabalho, compromissos religiosos e esportivos.

Quando o indivíduo se desinteressa por coisas que antes davam prazer, esse é um forte indício de que a vida perdeu a graça para ele.

Sintomas depressivos

Quando a pessoa apresenta manifestações como tristeza profunda e persistente, desânimo, desesperança, pessimismo, baixa energia, irritabilidade, fadiga e oscilações de humor, pode ser que ela esteja pensando em se matar e chegue a atentar contra a própria vida.

Todos esses são sinais de depressão, e, como foi falado anteriormente, esse é um dos fatores de risco para o autoextermínio.

Frases de aviso

Nem sempre é alarme falso. É preciso acabar com o velho mito de que “quem quer se matar não avisa”. Em muitos casos, a pessoa avisa sim, e faz ameaças públicas a si mesma como forma de pedir socorro.

Suspeite e faça algo para intervir se alguém próximo disser que não quer mais viver, que vai tirar a própria vida, que prefere morrer que continuar sofrendo ou que não suporta mais viver.

Falsa melhora

Alguns suicidas apresentam melhora simulada, para despistar os parentes e amigos e, enfim, verem-se livres para dar continuidade ao plano de se matarem, impossibilitando desse modo que alguém aja para impedi-lo. Fique de olho se aquele amigo ou familiar que estava profundamente desesperançoso e triste, repentinamente, aparecer alegre e bem-humorado.

Esses são os principais sinais de alerta para o suicídio.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como psiquiatra em Lucas do Rio Verde!

Comentários

Posted by Dra. Michelle Teixeira