doenças psiquiátricas

Traumas na infância aumentam o risco de doenças psiquiatricas posteriores

Traumas na infância aumentam o risco de doenças psiquiatricas posteriores

As crianças e os adolescentes vivem um momento de intenso crescimento, desenvolvimento emocional, cognitivo e físico. Por isso, é imprescindível que haja um ambiente favorável para essa transição. A ocorrência de traumas nessa etapa pode produzir doenças psiquiátricas.

Você sabia disso? Pois é, todas essas transformações podem ser influenciadas tanto de maneira positiva quanto negativa. Então, é importante que você saiba mais sobre esses traumas e que tipo de doenças eles podem desenvolver no futuro.

O que é um trauma?

Qualquer experiência dolorosa vivida por alguém é considerada uma memória traumática. O acesso a essa memória ocorre por meio de situações que façam a pessoa revivê-las. O termo “trauma” tem origem no grego e significa “ferida”.

Na psicologia, o conceito de trauma está relacionado a algo que tem origem no exterior ou num evento externo, mas que repercute internamente, afetando o nível do funcionamento psíquico.

De acordo com o Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais (DSM-IV), o acontecimento traumático é definido como algo que ultrapassa a usual experiência humana.

Alguns fatores aumentam as chances de ocorrência de um trauma. Viver em ambientes instáveis e inseguros, separação dos pais, doença grave, procedimentos médicos invasivos, abuso sexual, negligência, violência doméstica e assédio moral são exemplos.

Qual a relação entre traumas na infância e doenças psiquiátricas?

Atualmente, existem estudos que comprovam que crianças que sofreram abusos possuem maior predisposição a desenvolverem transtorno de estresse pós-traumático, ansiedade e depressão.

Outro estudo realizado com mulheres que sofriam com depressão constatou que pessoas que possuem histórico de abuso infantil apresentam resposta maior do hormônio cortisol. Além disso, a resposta é 6 vezes maior do hormônio adrenocorticotrófico (ACTH).

Assim, é possível afirmar que a produção excessiva desses hormônios em função de um trauma na infância é responsável pelo desencadeamento do quadro depressivo na vida adulta.

Além disso, indivíduos que sofreram adversidades na infância possuem níveis mais baixos de oxitocina, um hormônio produzido no hipotálamo e que é conhecido como o “hormônio do amor”.

O grande desafio da medicina é o tratamento dos quadros de depressão nessas pessoas com memórias traumáticas. Isso porque, apesar de apresentarem a mesma gravidade do problema que outros indivíduos, têm origem diferente dessas doenças psiquiátricas.

A ansiedade é outra patologia que está relacionada com o sofrimento de traumas na infância. Um estudo realizado pela Universidade de São Paulo (USP) constatou que indivíduos que passaram por traumas têm mais chances de desenvolverem o transtorno de ansiedade.

O acompanhamento psicológico é um grande aliado no tratamento dessas doenças psiquiátricas originadas em experiências traumáticas. A psicoterapia também auxilia o paciente a identificar os gatilhos de ansiedade e de estresse.

Por isso, é importante que você observe o comportamento do seu filho. Caso ele passe por algum trauma, pode ser necessário levá-lo ao psiquiatra, para que ajude a criança a lidar com essa experiência, evitando que produza efeitos no futuro.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como psiquiatra em Lucas do Rio Verde!

Posted by Dra. Michelle Teixeira in Todos