Transtorno de sintoma somático

Transtorno de sintoma somático: entenda

Você já ouviu falar em transtorno de sintoma somático? Essa é uma condição comum, embora pouco conhecida do público geral.

Trata-se de uma condição caracterizada por variadas queixas físicas. Elas são persistentes e geralmente estão associadas a sentimentos, pensamentos e comportamentos exacerbados e desproporcionais.

Nesse tipo de transtorno, ao contrário do que alguns imaginam, os sintomas não são simulados ou produzidos intencionalmente. Além disso, as manifestações podem vir acompanhadas ou não de outras doenças.

O transtorno de somatização, a hipocondria, o transtorno somatoforme não diferenciado e o transtorno de dor somatoforme, antes indvidualizados, agora são considerados transtornos de sintoma somático, pois têm justamente somatização como característica comum. A somatização, por sua vez, é a expressão de fenômenos mentais convertidos em sintomas físicos.

Quer entender um pouco mais sobre tal transtorno? Leia o artigo completo e confira as principais informações acerca dessa condição. Venha comigo!

Diagnóstico

O diagnóstico do transtorno em questão é baseado no histórico clínico do paciente, na análise dos sintomas relatados, além de exames para descartar outras causas possíveis. Como os sintomas podem não ter uma explicação física, a investigação deve ser criteriosa.

De modo geral, pacientes com transtorno de sintoma somático apresentam pensamentos, sentimentos e comportamentos excessivos com relação aos próprios sintomas.

Por vezes, as sensações são normais ou há um desconforto que não indica nada grave, mas o paciente acredita que realmente possui uma doença, desconhecendo que há um problema psicológico subjacente.

Sintomas do transtorno de sintoma somático

A principal manifestação desse quadro é a queixa de múltiplos sintomas somáticos ou de um único sintoma mais presente, geralmente a dor. Esses sintomas variam de gravidade, podendo ser recorrentes ou não.

O paciente costuma se preocupar excessivamente com os sinais que acredita ter, e isso se torna angustiante, a ponto de comprometer a vida cotidiana e desencadear outros problemas, como a depressão e o comportamento suicida.

Outro sinal comum da somatização é a busca constante por diagnósticos e tratamentos. Os pacientes pressionam os médicos para que mais exames sejam feitos, ainda que eles já tenham passado por investigação aprofundada. Também procuram vários especialistas simultaneamente e não se satisfazem com as abordagens terapêuticas propostas.

Caso o transtorno de sintoma somático venha acompanhado de outra doença, é comum que, mesmo após o tratamento e a recuperação completa, o paciente continue a agir como se tivesse a enfermidade, ou então ele passa a ter medo de adoecer novamente.

Tratamento

Quem tem esse transtorno precisa de suporte emocional especializado, além de apoio da família. Para tratar o quadro, é recomendável recorrer à terapia cognitivo-comportamental.

Se houver transtornos subjacentes, como a depressão e a ansiedade, é necessário tratar a doença, lançando mão de medicação psiquiátrica de acordo com cada paciente. Essa estratégia pode auxiliar efetivamente no controle dos incômodos provocados pelo transtorno de sintomas somáticos, reduzindo o desconforto físico e psicológico.

Quer saber um mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como psiquiatra em Lucas do Rio Verde!

Comentários

Posted by Dra. Michelle Teixeira