comportamentos repetitivos

Compreendendo o stimming: comportamentos repetitivos com um propósito

Cada pessoa com transtorno do espectro autista (TEA) experimenta a condição de maneira diferente, mas os comportamentos repetitivos (stimming) são algumas das manifestações comportamentais mais comuns.

Movimentos físicos repetitivos ou vocalizações, muitas vezes conhecidos como comportamentos “stimming”, podem servir a vários propósitos para indivíduos com autismo. Compreender as causas e os efeitos pode ajudar os pais a compreender melhor a comunicação e a expressão emocional dos filhos. Entenda neste artigo!

 Stimming em pessoas com autismo

Pesquisas evidenciam que os movimentos repetitivos e a manipulação de objetos estão entre os primeiros sinais de autismo a surgir em crianças. Isso acontece porque o cérebro de pessoas com autismo interpreta estímulos repetidos de maneira diferente.

Os pesquisadores ainda especulam que essas diferenças na atividade cerebral podem possivelmente ser responsáveis ​​por alguns dos traços comportamentais associados ao autismo, como padrões rígidos de comportamento e uma insistência na mesmice.

Por que ocorre o stimming?

Os movimentos repetitivos feitos por algumas crianças com autismo podem ser confusos para os pais, que podem não entender seu propósito ou se indicam sofrimento. Abreviação de comportamento autoestimulante, “stimming” pode assumir a forma de agitar as mãos, balançar fisicamente para frente e para trás ou movimentos semelhantes.

O stimming também pode ocorrer verbalmente, com zumbidos repetidos, grunhidos ou vocalizações semelhantes. Pessoas com autismo realizam essas ações para se acalmar, diminuir o estresse, expressar uma sensação de estar sobrecarregado, expressar entusiasmo ou por outras razões.

Os pais devem tentar parar o stimming?

O stimming costuma ser interpretado como perturbador para as interações sociais da criança com outras pessoas ou como um obstáculo à aprendizagem. Alguns podem temer que esses comportamentos repetitivos atrapalhem a capacidade de aprender ou se envolver com outros estímulos.

No entanto, estudos mostram que geralmente não é esse o caso. Na verdade, o estímulo e os comportamentos repetitivos tiveram uma associação positiva com essa curiosidade saudável. O stimming também pode ajudar as pessoas com autismo a se ajustarem melhor a seus arredores e regular seu estado emocional em ambientes de aprendizagem.

Em resumo, é uma forma de os indivíduos com autismo interagirem com o mundo e lidar com as dificuldades sensoriais. O objetivo, então, não deve ser reduzir ou eliminar quando é um mecanismo de enfrentamento positivo, mas sim garantir que não sejam prejudiciais a eles ou perturbem seu funcionamento diário.

Quando o stimming pode se tornar um problema?

Embora o stimming possa normalmente ser um mecanismo de enfrentamento positivo para indivíduos com autismo, há casos em que pode ser perturbador ou totalmente prejudicial.

Ações como cutucar a pele ou bater a cabeça contra um objeto repetidamente podem causar danos físicos, mesmo que sejam calmantes ou estimulantes para o indivíduo. Existem também situações em que certas formas, como vocalização, podem ser perturbadoras para outras pessoas. Esses casos podem exigir intervenção na forma de tratamento compassivo e orientação de pais ou especialistas em tratamento.

Tratamento do autismo

Mesmo em casos de comportamentos estimuladores que causam danos a si mesmos, a solução quase nunca é interromper à força. Essas tentativas podem apenas agravar ou oprimir a criança ainda mais.

Em vez disso, o redirecionamento para formas mais saudáveis ​​de comportamento pode ser bem-sucedido. Por exemplo, uma criança que estimula batendo na cabeça pode receber uma superfície macia, como um travesseiro, para usar como degrau intermediário.

A partir daí, um profissional comportamental pode trabalhar com a criança para encontrar uma solução mais segura na forma de um comportamento alternativo que a criança pode usar para lidar com a situação.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como psiquiatra em Lucas do Rio Verde!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp