paralisia do sono

O que é a paralisia do sono?

Acordar, escutar tudo ao seu redor e sentir a terrível sensação de não conseguir se mexer e nem abrir os olhos. Já aconteceu com você? Esse é o sintoma clássico de uma condição chamada de paralisia do sono. 

Você já ouviu falar nela? Sabe como é causada? Caso não, recomendamos a leitura deste post. A seguir, responderemos a todas as suas dúvidas a respeito do assunto.

Entenda a paralisia do sono

Trata-se de uma condição na qual, durante o sono, o cérebro desperta, mas os músculos continuam dormentes. Com isso, a pessoa acorda, tem consciência da situação, mas não é capaz de movimentar nenhuma parte do corpo.

Ainda, por mais que pareça algo muito estranho, a paralisia do sono é muito comum, acometendo cerca de 8% da população, principalmente entre pessoas com distúrbios psiquiátricos e estudantes.

Geralmente, esse distúrbio ocorre enquanto estamos acordando ou adormecendo, em uma fase do sono chamada de REM (“movimento rápido dos olhos”, em inglês). Nesta fase, o nível de atividade cerebral é semelhante ao de quando estamos despertos e os sonhos são bastante vívidos.

Por ser uma experiência assustadora, a paralisia do sono pode ser traumática, levando o indivíduo a entrar em estado persistente de ansiedade e medo de dormir. Com isso, passa a sofrer com insônia, cansaço, falta de concentração e memória, desmotivação e sonolência diurna.

Por que acontece?

Quando estamos dormindo, o cérebro desativa algumas de nossas funções motoras com o objetivo de evitar os movimentos durante o sono, o que poderia ameaçar nossa saúde. Assim, há uma ausência de tônus muscular, paralisando os músculos responsáveis pelos movimentos.

Contudo, pode ocorrer do cérebro despertar antes da recuperação desse tônus, impossibilitando a movimentação. Assim, a pessoa está desperta, mas não se mexe, caracterizando a paralisia do sono.

Ainda, essa condição pode acometer pessoas de todos os gêneros e idades. Embora suas causas não estejam totalmente esclarecidas, existem alguns fatores que contribuem para o seu surgimento, tais como:

  • excesso de estresse;
  • ingestão de bebidas estimulantes antes de dormir;
  • diagnóstico de transtornos mentais, como a depressão e a ansiedade;
  • sedentarismo;
  • ter horários irregulares para dormir e acordar;
  • uso de dispositivos eletrônicos logo antes de se deitar;
  • diagnóstico de narcolepsia.

Quais são os sintomas?

Por ocasionar uma situação assustadora, os sintomas estão associados às sensações de medo e angústia, tais como, falta de ar, alucinações auditivas, sentimento de estar se afogando, caindo ou flutuando sobre o corpo.

Como é o tratamento para paralisia do sono?

O tratamento da paralisia do sono só é indicado se houver uma condição adjacente que exija uma medida terapêutica, como, por exemplo, a narcolepsia. Caso se manifeste como um sintoma isolado, não será preciso tratá-la.

Contudo, se o problema se repetir por mais de três ou quatro semanas contínuas ou se causar prejuízos à qualidade de vida do paciente, pode ser necessário procurar um psiquiatra, neurologista ou um psicólogo.

De modo geral, o tratamento costuma ser medicamentoso e envolve o uso de antidepressivos e calmantes. Além disso, será preciso mudar hábitos prejudiciais, passando a ter horários regulares para dormir, evitando alimentos estimulantes e dispositivos eletrônicos à noite.

Enfim, a paralisia do sono é assustadora, mas dificilmente representa um grande risco à saúde ou à vida do paciente. Geralmente, as crises levam até 2 minutos para desaparecer e dificilmente se repetem.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como psiquiatra em Lucas do Rio Verde!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp